| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

SOM DA VIDA - Região Serrana / RJ
Desde: 16/08/2003      Publicadas: 50      Atualização: 18/11/2004

Capa |  ARQUEOLOGIA BÍBLICA  |  ARTIGOS  |  CLASSIFICADOS  |  CURIOSIDADES  |  Desenvolvimento Pessoal  |  EMPREGOS  |  Endereços e Telefones Úteis  |  ESTUDOS  |  EVENTOS  |  IGREJAS  |  IMÓVEIS  |  Mensagens Subliminares  |  NOSSA GENTE  |  PLANETA GOSPEL  |  Projeto Déboras  |  Religião - Mundo  |  SOM DA VIDA  |  TESTEMUNHOS  |  TURISMO NA SERRA  |  UTILIDADE PÚBLICA  |  VISITAÇÃO


 Desenvolvimento Pessoal

  27/03/2004
  0 comentário(s)


Comunicação e relacionamento

Aproveite o início do ano e inclua o bom relacionamento com as pessoas mais próximas nos seus planos prioritários de mudança.

Comunicação e relacionamentoComunicação e relacionamento

Hum, hum. Sei. Tá. Tchau.
Se você fala assim com os mais próximos, está na hora de fazer uma profunda avaliação na sua forma de se comunicar e tomar consciência de que investir no bom relacionamento é acima de tudo cuidar da própria felicidade.
Aproveite o espírito do começo do ano, quando fazemos nossos planos de mudanças para traçarmos novos objetivos de vida, e ponha o bom relacionamento com os parentes, amigos, colegas de trabalho e até com aqueles que não são tão próximos entre as suas primeiras prioridades.
E, antes que você torça o nariz e diga para si próprio hum, hum, pressentindo que essa atitude só irá acarretar trabalho e que no final não terá nenhum beneficio, saiba que não existe maior conquista do que aprender a se dar bem com as pessoas. Acredite, você será muito mais feliz e ampliará suas possibilidades de realização.
Por isso, mesmo que você seja do tipo que "luta para preservar o seu espaço", adora "continuar na sua" e "se preocupa apenas com seu bem-estar", ainda assim, aprender a se relacionar bem com as pessoas só trará vantagens para seus propósitos. E essa conquista se baseia em iniciativa, boa vontade e comunicação apropriada.

Comece em casa

Nem sempre temos consciência de que as pessoas da nossa própria família, de maneira geral, são as primeiras que desconsideramos. Pense bem, como tem sido o seu relacionamento com as pessoas da sua família. Você tem conversado com os filhos, com a esposa, com o marido, com os pais, com os irmãos? E que tipo de contato tem sido? Só olá, tchau e uma ou outra pergunta ou comentário, quase como se fosse obrigação?
O que poderia existir de mais importante do que olhar nos olhos daqueles que fazem parte da nossa família e procurar saber com sinceridade se estão com algum problema, se possuem algum plano, se estão se dedicando a alguma causa, se estão se sentindo sozinhos, tristes, ou se estão precisando de alguém para comemorar uma vitória?
Criticar o filho ou o irmão porque foi mal em alguma matéria na escola, ou se desentendeu sem motivo com amigos ou colegas de trabalho, é fácil. Montamos o nosso tribunal de acusação e baixamos a sentença de culpado. Mas será que nossa indiferença e descaso nos momentos em que eles se sentiram sozinhos e sem saber a quem recorrer não contribuiu para que a situação tivesse esse fim?
Não estou dizendo que somos culpados pelos problemas das pessoas que estão à nossa volta, mas sim que se agíssemos de maneira mais solidária e presente talvez o resultado pudesse ser diferente.
Você pode estar pensando: "Mas, por que eles também não se preocupam comigo? Será que só eu devo levantar essa bandeira? Se alguém precisa tomar a iniciativa, e se ninguém fez nada até agora, considere-se escalado para essa missão - e em beneficio próprio.

Às vezes passamos dias e até semanas sem um contato mais próximo com nossos pais. As pessoas quando envelhecem ficam ansiosas, perdem um pouco a paciência, tornam-se exigentes, em alguns casos até rabugentas, mas acima de tudo se sentem sozinhas e carentes de atenção. Não existe prazer maior para elas quando encontram alguém disposto a ouvir suas histórias.
Separe alguns minutos do seu dia para se dedicar a esse contato com as pessoas mais idosas da sua família. São apenas alguns minutos e se não puder ser todos os dias que seja pelo menos uma ou duas vezes por semana. Mas nada de ouvir com aquele jeito de quem está atrasado para algum compromisso e torcendo para a conversa acabar e poder cair fora. Nada disso. Faça desse momento um ritual de atenção e de interesse verdadeiro. Sente-se sem pressa e demonstre que aquele momento está sendo dedicado para ouvir e contar alguns casos interessantes. E não se incomode se tiver de ouvir as mesmas histórias que já ouviu dezenas de vezes. Lembre-se de que as histórias serão apenas o pretexto para que exista maior aproximação.

Quando tiro uns dias de folga e vou descansar em Araraquara, no interior de São Paulo, onde mora a família da minha mulher, ao me encontrar com meu sogro, Oliver Theodoro, que já dobrou a casa dos 85 anos, sento-me com ele na sala de visitas e peço que me conte algumas das suas histórias da época em que trabalhava na estrada de ferro. Ele dá três piscadelas, alisa o cabelinho branco espetado bem curtinho e começa a falar. São sempre as mesmas histórias, mas como é gostoso ouvi-las. É um momento mágico em que ele se sente bem falando e eu me sinto muito melhor ainda por poder ouvi-lo.
Esse deve ser um plano de curtíssimo prazo, que não pode ser adiado de jeito nenhum. Amanhã nossa vida poderá se transformar inesperadamente com a mudança de emprego que nos leva para uma cidade distante, ou nos confina em projetos que por longo tempo nos retiram do convívio com a família. Sem contar que com o passar do tempo chegará o dia em que eles irão nos deixar, e aí serão apenas lembranças. E essas recordações serão o resultado da qualidade dos contatos que mantivermos agora.
Cuidado. Se você não estiver acostumado a conversar de maneira mais profunda com seus familiares, a tendência é a de começar a falar com o tom de quem faz um interrogatório ou carrega a receita irretocável de como as pessoas devem se comportar. Por isso, nada de fazer sermão ou cobrar mudanças de conduta, apenas se aproxime para conversar.

Embora essa oportunidade de aproximação possa servir para resolver problemas, não imagine que esse deva ser o único objetivo. Ao contrário, será sempre muito agradável se puder se divertir, contar umas piadas e rir sem reservas.
Você conhece bem as pessoas da sua família e sabe quais são as características de cada uma. Uns são mais diretos e objetivos, outros preferem explicar os fatos com detalhes e pormenores, enfim, são pessoas diferentes e que possuem maneiras próprias de se relacionar. E aí é que está o segredo da boa comunicação com os familiares - falar com cada um de acordo com a personalidade e o jeito de ser deles.
Não espere para pensar nas pessoas da família apenas quando ficarem doentes, estiverem distantes ou morrerem. Não, aproxime-se delas agora e faça do bom relacionamento com elas a base da sua disposição para viver bem.
Dá trabalho, exige dedicação, mas os resultados são muito compensadores, pois, além de melhorar o relacionamento e tornar o ambiente mais agradável, é também um excelente exercício de comunicação que será útil em todas as circunstâncias da vida.

Falando em família, agora vou mexer numa caixa de marimbondos. Gostaria de discutir um pouco o relacionamento, ou melhor, a falta de relacionamento entre os "ex", ex-marido ou ex-esposa.
Parece que estou ouvindo a reação de alguns: "Tudo, menos isso, Polito. Até agora estava indo muito bem com a conversa de pais, irmãos, filhos. Até sogra dá para tolerar, mas ex-marido ou ex-esposa não tem acerto, pago para não ver o demônio na frente".
Bem, se não tiver filho na parada até que não precisa mesmo se preocupar. Cada um pode viver sua vida sem se incomodar. Com filho a história muda bastante, pois a felicidade das crianças em certa medida é proporcional à qualidade do relacionamento dos pais. E o que tenho visto com freqüência são pais usando filhos como instrumento de vingança ou de chantagem contra o ex-marido ou a ex-esposa. Sim, porque como sabem que o pai ou a mãe gosta do filho, ficam enchendo a cabeça da criança com criticas infundadas ou não para que ela se volte contra o pai ou contra a mãe. Conseguem seu intento, deixam o ex magoado, mas nem sempre se dão conta do prejuízo causado na vida do filho.
Vá por mim. Se julgar que o relacionamento chegou a um ponto que tornou impossível qualquer tentativa de contato mais amistoso, pelo menos pense na felicidade dos filhos e os preserve de maiores sofrimentos. Não critique o ex na frente deles. Saia um pouco de si, deixe de se preocupar apenas com seus sentimentos e quando fizer qualquer comentário sobre o ex na presença das crianças que seja para elogiar. Você não perderá nada e os filhos ganharão muito com sua atitude.
E é lógico que ao ver as crianças mais tranqüilas e alegres você também se sentirá mais feliz, especialmente porque terá consciência de que foi responsável por esse bem-estar.

Se você for casado redobre os cuidados e dedique-se com mais empenho ainda para melhorar o relacionamento. É impressionante o número de alunas que, num determinado exercício do nosso curso de expressão verbal em que precisam falar sobre o que menos gostam, revelam diante de colegas de classe, praticamente pessoas desconhecidas, que a situação que mais detestam é o fato de falar sobre os mais diferentes assuntos com o marido e perceberem depois de algum tempo que ele não estava prestando atenção nas suas palavras. Acorde, gente boa, ligue as antenas, preste mais atenção e ouça o que a patroa está falando. Você já viu que elas botam a boca no mundo.

Agora vamos sair de casa

A cada dia recebemos notícias de empresas que passaram por processo de fusão e que por isso reduziram o quadro de pessoal. Profissionais que eram considerados intocáveis, por causa da competência e dos anos de trabalho dedicados à empresa, são demitidos de um dia para o outro e se vêem desnorteados, sem saber que rumo tomar.
Por isso, as pessoas estão em permanente desconforto e se sentem intranqüilas com a possibilidade de enfrentar o mesmo destino.
Ainda que não exista esse risco, devemos considerar que o dia-a-dia profissional é feito sempre de muita pressão, cobranças, metas, resultados e incertezas. Portanto, melhorar e ampliar o relacionamento se constitui na mais importante arma para enfrentar e vencer todos esses desafios.

Olhe o seu colega de trabalho como uma pessoa que precisa de palavras de estímulo e encorajamento e como alguém que poderá ajudá-lo a superar dificuldades e a abrir portas para novos caminhos que tenha de percorrer.
São os detalhes que estreitam o relacionamento, por isso, fique atento a eles. Se o colega de trabalho estava se preparando para as provas da faculdade, ou se o filho dele havia feito inscrição para algum exame, lembre-se de perguntar sobre o resultado. Se alguém da família estava doente, não se esqueça de se informar se a pessoa já se recuperou.
Não custará nada também, uma vez ou outra, permanecer um pouco além do horário do expediente para ajudá-lo em alguma atividade mais complexa que você conheça e possa ser útil.
Esse comportamento solidário poderá aproximá-lo das pessoas e torná-las prontas para retribuir sua generosidade.
Ah, mas e se elas não se mostrarem dispostas a se aproximar, ou se forem ingratas e não retribuírem?
Não se preocupe, sua parte foi cumprida e o que estava ao seu alcance foi feito. Siga a vida com a consciência tranqüila.

Agora vamos para a rua

Você já deve ter ouvido que o número de pessoas empregadas por indicação é muito maior do que pelos métodos profissionais de recrutamento. É por esse motivo que a rede de contatos se intensifica a cada dia, o conhecido network.
Procure manter contatos de boa qualidade com cada pessoa que conhecer ou reencontrar. Normalmente conversamos com as pessoas que não são do nosso relacionamento mais íntimo no máximo meia dúzia de vezes durante a vida toda. E a opinião que temos a respeito delas e que elas têm sobre nós é fruto desses poucos contatos. Por isso, ao conversar com qualquer pessoa lembre-se de que esse momento servirá para que sua imagem seja construída. Não negligencie esses instantes de convivência, nem os encare como um fato passageiro, sem conseqüências, pois dependendo de como você se comportar determinará a maneira como será lembrado.

Com as atribulações do dia-a-dia se torna quase impossível visitar as pessoas. E, se insistirmos nessa prática, corremos o risco de incomodá-las. Mas nada impede que de vez em quando, com todo cuidado, desde que marcado com antecedência, sem surpresas inconvenientes, encontremos oportunidade de ter um contato mais próximo.
Transforme esses encontros em momentos de convivência agradável, que possam ser lembrados com alegria.
Por favor, não ligue para as pessoas, como faz a maioria, apenas quando precisar de alguma ajuda. Esse tipo de contato é visto como interesseiro e oportunista. Entre em contato para não pedir nada, apenas para saber se está tudo bem, se precisam de algum tipo de auxílio. Você notará que ao agir assim, de maneira desinteressada, nas primeiras vezes as pessoas até estranham, pois julgam que o telefonema tinha algum interesse oculto. Com o passar do tempo, entretanto, acostumam-se a atendê-lo sem demonstrar nenhum tipo de resistência. E se um dia, por acaso, você precisar mesmo de ajuda encontrará alguém mais disposto a colaborar.

Faça uma relação de e-mails das pessoas com quem desejará se corresponder e periodicamente mande uma mensagem falando sobre algum assunto que possa interessar a elas. Não tenha preguiça de mandar mensagens cumprimentando por todos os bons motivos: por uma nomeação para um cargo importante, por uma promoção, por uma entrevista dada a uma emissora de rádio ou televisão, enfim, por qualquer motivo que mereça ser comemorado.Entretanto, tome cuidado com o envio de piadas. Embora elas possam ser encaminhadas com um simples clique no teclado do computador e não consumir tempo, para quem recebe, e que normalmente está muito atarefado, poderá parecer coisa de gente desocupada, que não tem nada importante para fazer.

Leve esse plano a sério

No início do ano costumamos fazer muitos planos de mudança e prometemos para nós mesmos que de alguma maneira seremos diferentes. Mas, é comum também precisarmos repetir as mesmas promessas porque mais um ano se passou e os objetivos que nos pareciam tão possíveis não foram conquistados. Prometemos fazer o regime de emagrecimento para valer e continuamos gordinhos, iniciar os exercícios físicos e continuamos sedentários, estudar com mais responsabilidade e deixamos para nos dedicar à matéria escolar nas vésperas da prova.
Usar a boa comunicação para melhorar o relacionamento com as pessoas é prioridade inadiável. Leve esse plano a sério e seja uma pessoa feliz com a família, mais integrado na sociedade e mais seguro profissionalmente. Vale a pena.

Web site: www.polito.com.br
Autor: Reinaldo Polito




  Mais notícias da seção Comunicação & Sucesso no caderno Desenvolvimento Pessoal
27/03/2004 - Comunicação & Sucesso - Problemas da comunicação à distância
Como a comunicação à distância, por comodismo, praticidade, economia, rapidez e tantos outros motivos, nos envolve cada dia mais, este é o momento apropriado para refletirmos sobre esse tema e agirmos no sentido de evitar o incômodo dos possíveis deslizes. ...
27/03/2004 - Comunicação & Sucesso - Seja gentil, por favor. Muito obrigado
...Ser gentil é um ótimo negócio. Você faz investimento sem dinheiro e recebe dividendos excepcionais, que vão muito além do retorno financeiro e do prestígio social......
27/03/2004 - Comunicação & Sucesso - Vença o medo de falar em público
Se você tem dificuladades para falar em público leia este artigo e receba algumas estratégias para vencer este problema...



Capa |  ARQUEOLOGIA BÍBLICA  |  ARTIGOS  |  CLASSIFICADOS  |  CURIOSIDADES  |  Desenvolvimento Pessoal  |  EMPREGOS  |  Endereços e Telefones Úteis  |  ESTUDOS  |  EVENTOS  |  IGREJAS  |  IMÓVEIS  |  Mensagens Subliminares  |  NOSSA GENTE  |  PLANETA GOSPEL  |  Projeto Déboras  |  Religião - Mundo  |  SOM DA VIDA  |  TESTEMUNHOS  |  TURISMO NA SERRA  |  UTILIDADE PÚBLICA  |  VISITAÇÃO
Busca em

  
50 Notícias